20 de mar de 2009

Amor


No silêncio de minhas reflexões, estava eu pensando sobre os relacionamentos, sobre o amor e coisa e tal, o que me fez lembrar a bela ópera Aída, de Giuseppe Verdi. A história se passa no Egito, onde Aída (princesa etíope) tinha sido capturada pelos egípcios, tornando-se escrava de Amneris (princesa do Egito). Amneris era apaixonada por Radamés, que seria em breve indicado pelos deuses para guiar a guerra contra os etíopes, mas este por sua vez era apaixonado por Aída, que também o amava. Amneris descobre o amor entre os dois e vê em Aída a sua rival. Com a glória do Egito sobre os etíopes, o Faraó concede um pedido a Radamés como recompensa a vitoriosa guerra, com isso Radamés pede que sejam soltos os etíopes capturados (entre eles o Rei etíope fingindo ser um camponês para sobreviver e por seu plano em prática), o Faraó concede o pedido e da à mão de Amneris (que fica em grande alegria) a Radamés. O Rei etíope percebe o amor existente entre Radamés e sua filha Aída, logo, pede que ela descubra o plano de guerra egípcio para poder armar uma emboscada perfeita, ela combina então de encontrar-se com Radamés as margens do rio Nilo para tentar descobrir o então plano de guerra. As beiras do rio Nilo eles prometem fugir do Egito para a Etiópia numa cena de amor sublime, contudo Amneris escuta todo plano e entrega Radamés como traidor do Egito. Executada a vingança de Amneris, Radamés é condenado a morrer em uma tumba selada por uma grande rocha, Aída que estava desaparecida com o movimento da descoberta de seu plano, aparece ao lado de Radamés na grande tumba para morrerem juntos. Amneris arrependida pede perdão a Fthà (deus egípcio da criação).

Depois de descobrimos esta história dramática e triste, percebemos o amor presente durante toda a narrativa, seja ele o amor verdadeiro e puro de Aída e Radamés, ou o amor doentio e egoísta de Amneris por Radamés. Às vezes nos encontramos nessas experiências da vida. Afinal quem nunca teve um grande amor, seja ele equilibrado ou doentio?

Neste texto falaremos do amor em suas diversas trajetórias contra o egoísmo e o ódio. Muitas vezes tomamos “posse” da pessoa que acreditamos amar, achamos que ela nos pertence de tal maneira que esta fica presa e limitada a nós, pois temos a idéia de achar que aquele ser nos completa, que é a nossa metade. O que temos que perceber é que não existe a nossa m
etade, somos um por inteiro, cada qual com suas realizações e limitações, o que devemos fazer é somar cada um dos indivíduos envolvidos na relação e se ajudar mutuamente para vencer as limitações, lembrando sempre de respeitar o outro já que todos somos seres livres e sabendo que nossa liberdade termina onde começa a do outro e vice versa. O amor é um sentimento puro e celestial que deve ser cultivado sempre, pois o que mantêm um relacionamento vivo é a chama do amor.

Em particular abro um espaço para falar sobre o medo de amar. Na ilusão de evitar o que nos parece sem futuro, corremos léguas do amor, pois achamos que nunca vai dar certo estar com alguém, pois por frustrações passadas achamos que tudo se repetirá novamente como se fosse uma grande maldição, é preciso largar tudo isso e deixar ser amado ou amar, com certeza de que aquele momento será apenas mais um na eternidade com aquela pessoa. Não devemos buscar uma pessoa já imaginando que lá na frente não vai dar certo e tudo vai acabar, comece algo que você tenha certeza que não vai acabar, caso acabe, erga-se novamente e tire daquele relacionamento as lições que aprendera. Saiba viver o amor de sua forma mais sublime, não se feche no egoísmo da alma, e aprenda andar, pare de engatinhar como se fosse o espectro do mundo. Ame, ame sempre que puder e da forma que quiser. Amar nunca é demais!

3 comentários:

Paulo Henrique disse...

!!!O que retrata neste texto a filosofia da Vida!!!
Todo mundo ama..e nem sempre é correspondido..cabe a nós entender que o amor tem que ser entre ambas as partes e não Platônico...

Thiago você arrazou neste textoo...
Valeu....

Letícia. disse...

Sinto que vc engrandece a cada dia... E isso me enche de orgulho!
Pense numa coisa, por favor: Existem tipos diferentes de amor? Ou são todos iguais?
^^
Beijos mil, amo vc!

AlehChipolechi disse...

Linda historia.
e gostei muito do que você falou depois, concordo com varias coisas, e já aconselhei muito um amigo meu desta forma, ele se sente perseguido por essa maldição. " Não devemos buscar uma pessoa já imaginando que lá na frente não vai dar certo e tudo vai acabar, comece algo que você tenha certeza que não vai acabar, caso acabe, erga-se novamente e tire daquele relacionamento as lições que aprendera "
Essa parte foi tudo, é exatamente o que eu contumo dizer a ele. :D
gostei muito, estou seguindo ;]

Postar um comentário